terça-feira, 26 de junho de 2012

História: Neocolonialismo, revoltas e etc

Objetivo B2: Analisar o contexto ocidental do final do século XIX e início do século XX, identificando as motivações da Primeira Guerra Mundial, bem como o desenvolvimento da Revolução Russa, para compreender as mudanças decorrentes do imperialismo naquele cenário internacional.

O que foi o Imperialismo?
O Imperialismo foi uma política que, sobretudo, buscava uma expansão territorial. Quando trata-se de "Imperialismo", não significa que o país é obrigatoriamente governado por um imperador; o conceito de Imperialismo é, apenas, o fato do país/continente estar em constante busca de mais territórios, aumentando seus domínios.
O que foi o Neocolonialismo?
O neocolonialismo, por outro lado, surgiu no início do século XX. As potências (principalmente europeias) buscavam novas fontes de matéria-prima (principalmente para a indústria). O prefixo "neo" significa "novo", portanto, novo colonialismo (lembrando: o primeiro colonialismo aconteceu no séc XV, XVI, na época em que os países buscavam a África principalmente pelos escravos). No neocolonialismo estão presente países industrializados, como a Inglaterra e a França - os quais buscavam combustíveis para manter suas máquinas.
A Partilha da África
Fonte: http://gustavocmoreira.blogspot.com.br/2012/05/devassando-o-imperialismo.html

Aconteceu em Berlim, na Alemanha. Ela não respeitou os povos que viviam no continente; a maior parte deles teve que ficar dividida, entre uma colônia e outra. Os países europeus que mais possuíam influência econômica recebiam privilégios - poderiam escolher uma determinada região africana, antes do restante. Os países participantes foram: Grã-Bretanha, França, Espanha, Itália, Bélgica, Holanda, Dinamarca, EUA, Suécia, Áustria-hungria, Império Otomano, Alemanha e Portugal.

Algumas guerras/revoltas que aconteceram durante este período:


BOÊRES
Na África já existiam descendentes, pois séculos antes o continente havia sido colonizado. Holandeses e franceses lutaram contra a Inglaterra, pois não desejavam que os ingleses explorassem seus recursos minerais. A Inglaterra vence a guerra e passa a desenvolver a região.
CIPAIOS
Fonte: http://www.mundoeducacao.com.br/historiageral/a-revolta-dos-cipaios.html

Soldados indianos trabalhavam para o exército inglês. Recebiam baixos salários e, além disso, os cartuchos das armas eram desenvolvidos com gordura animal. Vale lembrar que, como prega a religião indiana, animais como o porco e a vaca são considerados sagrados e não poderiam ser tocados. Os indianos resistiram, mas a Inglaterra vence.
                                 
BOXERS
Grupo secreto, chamado "A Sociedade dos Punhos Harmoniosos e Justiceiros", adoravam as artes marciais e acreditavam que, com ela, era possível vencer os ingleses. Neste contexto, vale lembrar que a China não era um país desenvolvido e não possuía tecnologia suficiente em relação as armas. A Inglaterra vence a guerra.
ÓPIO
O ópio é uma substância extraída da papoula, planta que também é matéria-prima para a morfina e a heroína. A Inglaterra a extraia do Oriente e depois a vendia para a China. Com isso, a China passa a tentar controlar a entrada da droga, porém sem sucesso. A Inglaterra, além de ter vencido a guerra, traz liberdade de comércio e domina Hong-Kong.

Algumas bases teóricas

Basicamente, defendem o fim da desigualdade social, cada qual com sua tese.

SOCIALISMO UTÓPICO
Não há uma teoria. Fourier cria cooperativas, denominadas falanstérios, onde existem sócios, os quais dividirão os lucros, fazendo com que todos eles obtenham sucesso. Owen, por outro lado, acredita que quanto mais feliz e satisfeito está o trabalhador, mais ele produz (dessa maneira, ele oferece um armazém, onde produtos possuem um preço mais acessível; uma creche e salários maiores).
SOCIALISMO CRISTÃO
A Igreja passa a interferir, com o discurso de que um cristão (dono da empresa/fábrica) não poderia explorar um outro cristão (trabalhador). Essa afirmação era válida, considerando que naquela época grande parte dos donos de empresa e os trabalhadores eram cristãos (cristãos ≠ católicos). Além disso, passaram a criar leis buscando uma melhor qualidade de vida para o operário.
ANARQUISMO
Defendia, basicamente, o fim de toda e qualquer forma de exploração ou controle de poder. Assim sendo, era contra, por exemplo, a Igreja, estado, propriedade privada, entre outros.
SOCIALISMO CIENTÍFICO
Em suma, defendiam a luta de classes e a ditadura do proletariado. Ou seja, acreditavam que a vida só mudaria quando a classe oprimida lutasse pelos seus direitos; na ditadura do proletariado os operários tomariam o poder. Desta forma, quem passaria a ser o estado seriam os operários/trabalhadores.

O Apartheid

Um regime político segregacionista na África

Fonte: http://www.dianacostaeduhistoria.blogspot.com.br/2011/02.apartheid.html
Segundo o dicionário online Priberam, segregar significa: apartar, desmembrar, separar, excretar, expelir, secreta. Neste contexto, segregar significa separar. 
Desde a colonização da África já havia uma certa separação entre as classes sociais. Porém, ela passou a tornar-se legalizada depois das eleições de 1948. Resumidamente, havia uma grande separação entre os "negros", os "brancos" e os "de cor". A sociedade passou a ser dividida através de suas raças. 
Os direitos não eram os mesmos para toda a população. Os brancos possuíam mais privilégios do que o restante, havendo divisão em lugares públicos e até mesmo em Igrejas. 
O Apartheid só terminou completamente por volta de 1990, ano em que Nelson Mandela, que era contra o regime Apartheid proposto, saiu da prisão, chegando ao cargo da presidência da África do Sul em 1994.


A Rússia na Pré-Revolução


Mesmo no início do século XX, a maior parte da população russa vivia no campo (isso acontecia porque o país não se desenvolvia industrialmente e sua economia ainda era centrada na agricultura). E naquela época o governo era Czarista e possuía características semelhantes ao absolutismo. Desta forma, é possível dizer que estavam em atraso econômico. A única forma de investimento nas indústrias era através do capital estrangeiro existente no país.
A mão-de-obra era explorada e isso, junto com a dependência da agricultura, foram fatores que facilitaram a expansão dos ideais socialistas, os quais buscavam uma melhora da qualidade de vida da população.
Somado a isso, a Rússia entrou em guerra com o Japão pela Manchúria, região que oferecia recursos minerais. A Rússia perdeu a guerra. 
Em 1905 a população, insatisfeita com o cenário do governo russo, realiza a "I Revolução Russa", também conhecida como "Ensaio Geral". Houve uma manifestação popular contra o governo, acabando em um massacre chamado "Domingo Sangrento".
Surgem os Sovietes (Conselhos dos Operários) que buscavam melhorias para os operários. De outro lado, Nicolau II, czar da época, convoca a Duma, um parlamento, o que deixa para a população uma ideia de descentralização do poder, mesmo que, na prática, isso não acontecesse. Era uma forma de conseguir apoio da população.
O grupo passa a ser dividido entre os Mencheviques (a minoria: defendiam a revolução burguesa para derrubar o Czarismo) e os Bolcheviques (a maioria: defendiam a revolução socialista, ou seja, todo o poder aos sovietes/operários - ideia compatível a do socialismo científico).

Lembre-se: este resumo é apenas um material suplementar de estudos, mas não pode ser substituído pela leitura de livro, caderno e outras fontes.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...